Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota

Photo 1
Photo 1
Todas as fotografias / imagens são fornecidas apenas para orientação.
Localizam-se na freguesia de Alqueidão da Serra, Vila de Porto de Mós, Distrito de Leiria, Centro de Portugal.
 
O Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota situa-se no campo militar de São Jorge, onde a 14 de Agosto de 1385, Portugal e Castela lutaram numa das mais importantes batalhas da história medieval.

O exército Castelhano era superior ao Português, mas Nuno Álvares Pereira e o rei D. João I montaram um sistema táctico que levou Portugal à vitória.

À escala medieval, considera-se um acontecimento da maior importância política, diplomática e militar. Do ponto de vista militar este confronto representa a inovação táctica, onde homens apeados venceram a poderosa cavalaria medieval; no campo diplomático, ele resultou na aliança entre Portugal e Inglaterra.

No aspecto político, Aljubarrota resolveu a disputa entre Portugal e o reino de Castela e Leão, permitindo a afirmação de Portugal como Reino independente e tornou ainda possível que se iniciasse uma das épocas mais grandiosas da história de Portugal: os Descobrimentos.
Contexto histórico que deu origem a Batalha de Aljubarrota
 
A morte do rei D. Fernando em 1383 fez com que o Tratado de Salvaterra de Magos celebrado em abril de 1383 entre a rainha D. Leonor Teles, o Conde João Andeiro e o Rei de Castela estabelece que a Coroa de Portugal passaria a pertencer aos descendentes do Rei de Castela D. Juan I. (O Reino de Castela iria inevitavelmente dominar Portugal).

Na origem da crise política de 1383 a 1385 esteve o descontentamento popular resultante não só da degradação das condições de vida da população, mas também pela perspectiva do Reino de Portugal vir a perder a sua independência.

A população de Lisboa proclama D. João, Mestre de Avis, meio irmão de D. Fernando como governador e defensor do reino.

O Rei de Castela em 1384 entra em Portugal entre fevereiro e outubro e monta um cerco a Lisboa por terra e por mar com o apoio da frota castelhana.

O cerco não resulta não só pela determinação das forças portuguesas, mas também por Lisboa estar bem murada e defendida.

O Mestre avançou então para a batalha política e no ano de 1385 as Cortes de Coimbra proclamam o Mestre de Avis como o Rei de Portugal.

D. Juan I invade novamente Portugal, por Almeida com um numeroso exército de 40.000 homens, seguindo depois por Trancoso, Celorico da Beira, Coimbra, Soure e Leiria, a esquadra castelhana havia entretanto cercado Lisboa por mar desde abril de 1385.

O exército português comandado por Nuno Álvares Pereira tinha-se preparado para o combate e a Batalha tornou-se praticamente inevitável.

No dia 14 de agosto, o exército de D. João I ocupa uma posição fortíssima no terreno e no final da manhã chegam os castelhanos que circulam pela estrada romana até estacionarem na esplanada do Chão da Feira.

O exército português constituído por aproximadamente 7.000 homens de armas move-se então uns dois quilómetros para Sul e inverte a sua posição de batalha para ficar de frente para o inimigo.

O significado político da Batalha e a morte de numerosos nobres e homens de armas que morreram em combate fez com que Castela permanecesse em luto por um período de dois anos.

Na Europa, a Batalha de Aljubarrota constituiu uma das batalhas mais importantes que ocorreram na época medieval.

A batalha ocorreu no planalto de S. Jorge no dia 14 de agosto de 1385 constituiu-se num dos acontecimentos mais decisivos na História de Portugal.

A vitória portuguesa em Aljubarrota permitiu também a preparação da época dos Descobrimentos que não teria ocorrido sem esta batalha.

A Batalha de Aljubarrota proporcionou definitivamente a consolidação da identidade nacional que até então se encontrava apenas em formação, permitindo às gerações futuras afirmarem-se como nação livre e independente.

A vila de Aljubarrota tem o seu nome associado à célebre batalha que deu vitória ao rei D. João I contra o invasor de Castela.

A Batalha de Aljubarrota opôs forças portuguesas a um exército espanhol que se deu em 1385 foi um dos momentos mais importantes da História de Portugal garantindo a independência do país face a Espanha.

A Batalha de Aljubarrota teve lugar junto à aldeia de São Jorge, perto de Porto de Mós e hoje existe aí um Centro de Interpretação gerido pela Fundação Batalha de Aljubarrota

O Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota foi criado em 2002 e pretende oferecer aos visitantes melhor informação sobre o que aconteceu no espaço em volta, com uma exposição com 900 m2, um auditório, loja de recordações, café-restaurante, parque de merendas, um museu aberto ao público e desenvolve intenso trabalho junto das escolas contando com um Serviço Educativo bastante activo.