Home > peniche 

Fortaleza de Peniche

Photo 1
Photo 1
Todas as fotografias / imagens são fornecidas apenas para orientação.
Localiza-se no concelho de Peniche, distrito de Leiria, Centro de Portugal
 
A Fortaleza de Peniche foi construída no local do antigo Castelo de Atouguia da Baleia a sua construção teve início em 1557 e 1558 mas com inúmeras modificações posteriores.

As suas muralhas defensivas circundam uma área de dois hectares dividida em partes superior e inferior.

A fortaleza desempenhou várias funções, incluindo a de prisão política durante o regime autoritário do Estado Novo.

Na Idade Média Peniche foi uma ilha mas acabou por levar o mar a ser substituído por dunas de areia passando Peniche a tornar-se uma península.

Nos finais do século XV e inícios do século XVI a área foi alvo de ataques de piratas ingleses, franceses e bárbaros em que o rei D. Manuel I respondeu inicialmente instalando quatro navios armados em Peniche.

D. Sebastião I subiu ao trono em 1568 e nomeou D. Luís de Ataíde, 3.º Conde de Atouguia , para o cargo de Vice-Rei da Índia (1568-1571).

O grande terremoto de 1755 que atingiu grande parte de Portugal destruiu parte da fortaleza que foi posteriormente recuperada.

No ano de 1773 foram executadas as obras de remodelação da capela de Santa Bárbara no interior da fortaleza e a fortaleza ficou famosa por duas fugas de prisioneiros que se opunham ao governo autoritário.

No ano de 1960, os líderes comunistas Álvaro Cunhal, Francisco Martins Rodrigues e outros oito coniventes com um membro da Guarda Nacional Republicana que concordou em imobilizar com clorofórmio um colega responsável pela vigilância dos presos.

A fuga tornou-se um grande constrangimento para o governo que alegou que um submarino soviético tinha estado perto da costa de Peniche à espera de recolher os fugitivos.

Na Revolução dos Cravos em 25 de abril de 1974 que levou à derrubada do Estado Novo a fortaleza foi um dos principais alvos do golpe inicial.

A Praça-forte de Peniche é composta por uma série de construções defensivas com estrutura abaluartada com planta no formato de um polígono irregular estrelado adaptado ao terreno e o perímetro murado abrange uma área de cerca de dois hectares.

A entrada nesse espaço é dada de sul para norte, por quatro portas: a "Porta das Cabanas", a "Porta Nova", a "Porta da Ponte" e a "Porta de Peniche de Cima".

O conjunto da fortificação dividia-se assim em dois grandes sectores: a norte em Peniche de Cima dominava o "Forte da Luz" hoje em ruínas protegido por altas escarpas.

A partir daí e até à da Porta de Peniche de Cima, a Praça-forte é constituída por uma alta e extensa muralha circundada por um fosso naturalmente inundado pela água do mar (cheio na maré alta) até à Porta das Cabanas que corresponde ao antigo porto de pesca como Portinho de Revez.

A Cidadela de Peniche com baluartes nos vértices coroados por guaritas circulares armada de canhoneiras no terrapleno apontadas para o lado do mar, no lado da terra para proteger o monumental portão de entrada foi construído um revelim triangular.

A sul, em Peniche de Baixo, frente ao povoado, domina a cidadela, no chamado "Campo da Torre".

No seguimento do revelim, a cidadela é protegida por um fosso amurado acima do nível do mar que acompanha o traçado poligonal das suas imponentes muralhas tornando-a invulnerável.

No forte faziam inicialmente parte o chamado Baluarte Redondo (a primeira fortificação construída), a Torre de Vigia e a Capela de Santa Bárbara.

Nesse conjunto foram integradas as famosas prisões posteriormente construídas em redor de uma torre de vigia, a construção mais elevada do forte como ponto estratégico de observação que então servia para acautelar qualquer pretensão indesejada.