Home > madeira 

Sé do Funchal

Photo 1
Photo 1
Todas as fotografias / imagens são fornecidas apenas para orientação.
Localiza-se na Rua do Aljube, cidade do Funchal, Ilha da Madeira, Portugal
 
A Sé Catedral do Funchal é um bonito monumento situado bem no centro histórico da capital do Arquipélago da Madeira, constituindo a mais emblemática obra do período Manuelino na Ilha da Madeira.

A Igreja foi mandada construir por D. Manuel I é um dos poucos edifícios que sobreviveram intactos desde os tempos da colonização.

Os trabalhos de projecção e construção iniciaram-se em 1493, sendo concluídos em 1514 sobre os desígnios de Pero Annes e Gil Eanes, numa obra característica do gótico tardio conjugando os materiais locais com saberes antigos e modernos.

Nos anos 90 do século XV, D. Manuel enviou o arquitecto Gil Eanes para trabalhar no desenho da catedral do Funchal que ficou concluída em 1514.

Em 1508, quando o Funchal foi elevado à categoria de cidade, já se celebravam missas no templo, mas o coruchéu da torre sineira e mais alguns detalhes só vieram a ser finalizados nos anos de 1517-1518.

Os destaques vão para o cadeiral da capela-mor ligado ao escultor Olivier de Gand mas cujo principal responsável foi Mestre Machim, que exibe santos, profetas e apóstolos em trajes do século XVI.

Nos pormenores decorativos dos assentos e apoios para os braços podem ver-se aspectos da vida da Madeira, como por exemplo um querubim transporta um cacho de bananas e outro carrega um odre cheio de vinho.

No interior da Catedral, o retábulo da capela-mor foi executado pelo Rei D. Manuel I em 1510-1515.

O retábulo encimado por um sobrecéu gótico apresenta-se sob a forma de um políptico de grande porte constituído por talha dourada completado por esculturas de pequenas dimensões, e pinturas a óleo sobre madeira.

O elevado valor deste retábulo advém da elevada qualidade técnica de execução e do facto de constituir o único retábulo do período manuelino que permanece, na íntegra, no seu local de origem.

A Sé do Funchal apresenta ainda um dos mais belos tetos de Portugal, elaborados com madeira da ilha e o cadeiral da capela-mor ostenta o estilo flamengo.

A Sé do Funchal é composta por várias capelas de épocas distintas: a de Nossa Senhora dos Varadouros do século XIX, a de Nossa Senhora de Lourdes dos séculos XVIII e XX, as Laterais do século XVII a XIX, bem como o Altar Mor do século XVI, o Altar do Santíssimo do século XVIII, o Altar de Santo António do século XVII, a Pia Baptismal do século XVI, a Sacristia do século XVIII e a Confraria do Santíssimo do século XVIII.

A planta é em cruz latina de três naves escalonadas, de transepto saliente e tecto de madeira, em algumas zonas em estilo mudéjar muito trabalhado, considerado dos mais importantes em território luso.

A sua bonita Torre Sineira destaca-se do conjunto exterior, pela sua imponência e beleza, tendo sido terminada entre 1517 e 1518.

A Sé apresenta um interior rico com diversas obras de estatuária e pintura, destacando-se os vários pormenores decorativos do templo, como os assentos e apoios de braços onde estão retratadas cenas da vida madeirense.

Igualmente interessante é a Cruz Processional oferecida pelo Rei D. Manuel I, considerada uma das obras-primas da ourivesaria Manuelina, e o Cadeiral que se conserva no seu local de origem.

O órgão Romântico do século XIX, os retábulos de São Francisco de Xavier e da Sé do Funchal do século XVI e a rica azulejaria decorativa são outros elementos que enriquecem este bonito Monumento Nacional, classificado em 1910.

A porta principal exibe linhas góticas, e as peças de talha dourada do século XVII evidenciam algumas características do período manuelino.

A igreja possui também uma excepcional cruz processional, oferecida por D. Manuel I, considerada uma das obras-primas da ourivesaria manuelina portuguesa.

A fachada principal vira-se a O. e tem três panos escalonados, o central pétreo e saliente terminado em empena com cornija coroada por cruz, e com dois registos separados por cornija, no primeiro registo abre-se portal de arco apontado com seis arquivoltas,

A exterior com decoração vegetalista assentes em colunas de capitéis fitomórficos encimados por brasão real e coroa aberta, e no segundo registo abre-se rosácea com grilhões centrada por cruz.

Os Panos laterais cegos delimitados por cunhais de cantaria com lápides epigrafadas alusivas ao “Santíssimo Sacramento” (esquerda) e a “Nossa Senhora da Conceição” (direita).

Nas fachadas laterais, as naves são rasgadas por porta travessa em arco de volta perfeita, assente em pilastras toscanas encimadas por friso e cornija reta, e por quatro frestas em arco de volta perfeita com capialço profundo (capialço - corte oblíquo na parte superior das portas e janelas para dar mais luz ao interior das casas)

No interior da igreja as naves escalonadas são separadas por arcos apontados de amplo vão, sendo os que flanqueiam o cruzeiro ainda maiores, sobre pilares cruciformes pintados a marmoreados fingidos, com bases estreladas e capitéis baixos com meias-esferas, exceto os do topo E., com folhagem, e os do O., com alcachofras, cabaças, folhas, flores, romãs e hera.

A Nave central com clerestório, tendo no primeiro tramo o coro-alto, sobre três arcos apontados providos de guarda-vento em madeira e bandeira envidraçada, lateralmente comunica por dois vãos gradeados e em arco conopial rematado por esfera armilar com o Batistério, no lado do Evangelho, e com a "casa das escadas",no lado da Epístola, e sobre os quais se prolonga o coro-alto com guarda em balaustrada de madeira ao centro, e adaptado ao perfil da rosácea tem órgão de tubos, e no pavimento cinco tampas de sepulturas epigrafadas.

Na nave lateral do Evangelho, o batistério tem abóbada de cruzaria de ogivas com bocete vegetalista apoiada em colunas com capitéis vegetalistas e anéis torsos alberga pia batismal de taça facetada, de panos côncavos e pé estrelado.

Nas naves laterais rasgam-se seis capelas confrontantes pouco profundas em arco apontado, de três arquivoltas assentes em pilastras e colunas, pintado a marmoreados fingidos, com retábulos de talha dourada e policroma são dedicados às “Almas”, “Nossa Senhora do Desterro” e aos “Milagres”, no lado do Evangelho a “Nossa Senhora de Fátima”, “São José” e “São Miguel” no lado da Epístola, e protegidas por teia de madeira em balaustrada formando U contendo no pavimento fragmentos de tampas de sepulturas com inscrições.

Nas capelas abrem-se irregularmente quatro janelas, e no segundo tramo, porta em arco rebaixado com pia de água benta de taça facetada.

Os tetos com cobertura de alfarge com entrelaçados geométricos e pingentes apoiados em frisos perfilados por cordões totalmente pintados com grotescos e flores.

As naves finalizam em arcos, encimado por óculos, e apontados nas laterais, sobre mísulas de folhas, flores, cabaças e cachos de uva.

O Transepto com capelas nos topos, a do Evangelho dedicada ao “Senhor Bom Jesus” e a da Epístola a “Santo António” com retábulos de talha dourada integrando telas e rosácea central.

A Sé Catedral do Funchal, classificada como Monumento Nacional desde 1910, constitui o principal templo religioso do Arquipélago sendo muito visitado pelos habitantes e visitantes da cidade do Funchal.