Arcos de Valdevez

Photo 1
Photo 1
Todas as fotografias / imagens são fornecidas apenas para orientação.
Os Arcos de Valdevez Arcos de Valdevez é uma vila raiana portuguesa no distrito de Viana do Castelo, região Norte e sub-região do Alto Minho e sendo sede do município de Arcos de Valdevez
 
O município de Arcos de Valdevez com 447,60 km 2 de área e 22 847 habitantes (2011) está subdividido em 36 freguesias: Aboim das Choças, Aguiã, Alvora e Loureda, Arcos de Valdevez (São Paio) e Giela (sede), Arcos de Valdevez (Salvador), Vila Fonche e Parada (urbana), Ázere, Cabana Maior, Cabreiro, Cendufe, Couto, Eiras e Mei, Gavieira, Gondoriz, Grade e Carralcova, Guilhadeses e Santar, Jolda (Madalena) e Rio Cabrão, Miranda, Monte Redondo, Oliveira, Paçô, Padreiro (Salvador e Santa Cristina), Padroso, Portela e Extremo, Prozelo, Rio de Moinhos, Rio Frio, Sabadim, São Jorge e Ermelo, São Paio de Jolda, Senharei, Sistelo, Soajo (vila), Souto e Tabaçô, Távora (Santa Maria e São Vicente), Vale, Vilela, São Cosme e São Damião e Sá.

O município é limitado a norte pelo município de Monção, a nordeste por Melgaço, a leste pela Galiza, a sul por Ponte da Barca, a sudoeste e a oeste por Ponte de Lima e a oeste por Paredes de Coura.

O chamado Torneio de Arcos de Valdevez, também conhecido por "Recontro de Valdevez" foi um importante e decisivo episódio da História de Portugal ligado aos primeiros tempos da nacionalidade, sendo o antecedente da celebração do Tratado de Zamora em 1143.

No ano de 1662, durante a Guerra da Restauração, a vila foi incendiada pelo general governador de armas de Castela D. Baltazar Rojas Pantoja que estabeleceu o seu quartel-general no Paço de Giela numa enérgica ofensiva sobre o Minho.

O ponto mais alto do município situa-se na Pedrada com a altitude de 1 416 metros na Serra de Soajo.

Arcos de Valdevez é uma das terras mais bonitas do Minho e com uma história associada a um dos factos mais notáveis da história do nascimento da independência portuguesa.

A Porta do Mezio, uma das cinco portas do Parque Nacional da Peneda Gerês, é o hall de entrada para a magnífica imensidão das montanhas e vales do Soajo e Peneda.

Um município integrado no singular Parque Nacional da Peneda-Gerês declarado pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera fazem também de Arcos de Valdevez um destino turístico que oferece uma riqueza ambiental, paisagística e a biodiversidade de um território de excelência no contexto nacional.

O Parque Nacional da Peneda-Gerês prima pela riqueza das suas belíssimas paisagens, por entre serras, planaltos, vales, barragens, cascatas e uma fauna e flora riquíssima que se quer preservada.

Uma zona de tradições e costumes já habitada desde o período neolítico encontrando-se importantes vestígios arqueológicos de tempos distantes (como os Dólmenes do planalto de Castro Laboreiro ou da serra do Soajo), e um espírito comunitário muito próprio subsistindo através da agricultura, da pastorícia e da pecuária.

No Parque as espécies mais características são o carvalho, o medronheiro, o azevinho, o azereiro, o pinheiro, urzes e giestas, o lírio-do-gerês, o feto-do-gerês e o hipericão-do-gerês.

O município é marcado por uma paisagem verde, com flora e fauna abundante, arquitetura solarenga e um rio que marca a vida arcuense.

Segundo alguns estudiosos, o Rio Vez é o menos poluído da Europa com uma localização geográfica atractiva, o Turismo Rural também é muito frequente, e são muitos aqueles que não perdem uma visita ao Parque Nacional Peneda-Gerês, ao Soajo e à Peneda.

A vila envolta em montanhas apresenta miradouros de uma beleza única realçando-se a Serra da Peneda e os miradouros de Adrão e Penedo da Meadinha.

Sistelo é famoso pelos seus socalcos que surgem pela necessidade de aumentar a superfície agrícola e de contrariar os declives.

Os pratos típicos desta terra são a Carne da Cachena, o Cozido à Minhota, o Cabrito e os Rojões e papas de Sarrabulho, na doçaria é de referir o bolo de discos, os charutos dos Arcos, os rebuçados dos Arcos e o Pão-de-Ló de Soajo.

Nos Arcos de Valdevez podemos ver Igreja da Lapa (Largo da Lapa, Vila de Arcos de Valdevez), Relógio d''''água, Pelourinho de Arcos de Valdevez, Igreja Matriz de Arcos de Valdevez (Praça Municipal, Vila de Arcos de Valdevez), Biblioteca Municipal/Casa das Artes (Jardim dos Centenários, Rua Carlos da Cunha, Arcos de Valdevez), Igreja do Espírito Santo (Jardim dos Centenários, Arcos de Valdevez), Capela de Nossa Senhora da Conceição da Praça (Rua da Praça, Arcos de Valdevez), Igreja do Mosteiro de São Bento (Arcos de Valdevez), Museu da Água ao Ar Livre do Rio Vez - Arcos De Valdevez, Praia Fluvial da Valeta (Largo Visc. do Rio Vez, Arcos de Valdevez), Igreja da Misericórdia (Rua Amorim Soares, Arcos de Valdevez), Cruzeiro do Senhor dos Milagres (R. dos Milagres, Arcos de Valdevez), Passadiço do Mortemo (Rua Prof. Dr. Júlio Almeida Costa, Arcos de Valdevez), Igreja Paroquial de São Paio (Rua. Dr. Teixeira de Queiróz, Arcos de Valdevez), Monumento ao Torneio de Arcos de Valdevez (Campo do Trasladário, Arcos de Valdevez), Paço de Giela (freguesia de Giela, Arcos de Valdevez) e Ponte dos Arcos ou Ponte Centenária dos Arcos (Rua dos Milagres, Arcos de Valdevez), Câmara Municipal dos Arcos de Valdevez (Praça Município, Arcos de Valdevez), ecovia do Vez e percursos pedestres, Cascatas do Rio Cabrão (acesso a pé - 580m), Centro Interpretativo do Barroco ou Museu (Jardim dos Centenários, Arcos de Valdevez), Lagoas da Gralheira, Casa da Coutada, Torre de Grade, Casa de Valverde, Casa da Ponte e Quinta, Casa e Torre de Aguiã e Baloiço do Mezio, Quinta e Paço da Glória e Capela de Nossa Senhora do Castelo.