Barragem do Pisco

Photo 1
Photo 1
Todas as fotografias / imagens são fornecidas apenas para orientação.
A barragem do Pisco situa-se na ribeira de S. Vicente, freguesia de São Vicente da Beira, concelho de Castelo Branco, distrito de Castelo Branco, Centro de Portugal
 
A barragem foi projectada em 1966 pelo Engº Alberto Vilaça e entrou em funcionamento em 1968 visando o desenvolvimento do regadio e o abastecimento das povoações.

A Barragem do Pisco abasteceu durante diversos anos a cidade de Castelo Branco como diversas vilas e aldeias adjacentes e pertence à bacia hidrográfica do Tejo e presentemente é reserva estratégica do sistema.

Uma barragem do tipo Aterro de terra homogénea com uma altura de 24,5 m acima da fundação (23,2 m acima do terreno natural) e um comprimento de coroamento de 260 m (largura 8 m).

O volume da barragem é de 58.000 m com uma capacidade de descarga máxima de 1,41 (descarga de fundo) + 43 (descarregador de cheias) em 3/s.

A albufeira da barragem apresenta uma superfície inundável ao NPA (Nível Pleno de Armazenamento) de 0,198 km2 e tem uma capacidade total de 1,4 Mio. m 3 (capacidade útil de 1,04 Mio. m 3).

As cotas de água na albufeira são: NPA de 498,7 metros, NMC (Nível Máximo de Cheia) de 499,7 metros e NME (Nível Mínimo de Exploração) de 485,7 metros.

A barragem tem uma área da Bacia Hidrográfica de 14,2 km2 com precipitação média anual de 1218 mm, caudal integral médio anual de 4200 x 1000 m3 e caudal de cheia de 100 m3/s.

A descarga de fundo localiza-se na margem esquerda com tipo de conduta sob o aterro (secção da conduta e de 0,40 m), caudal máximo de 1,41 m3/s, com controlo a montante (comporta corrediça) e dissipação de energia inexistente.

O descarregador de cheias em betão localizado na margem esquerda em canal de encosta com cota da crista da soleira de 498,7 m (desenvolvimento da soleira de 2 x 10 m), caudal máximo descarregado de 43 m3/s e dissipação de energia de ressalto.

O coroamento, pavimentado e permitindo circulação automóvel tem um comprimento de 260 m e largura de 8 m.

A Ribeira de S. Vicente é a única linha de água que alimenta a albufeira sendo um afluente indireto do Rio Tejo.

A Barragem do Pisco em função da sua perigosidade e danos potenciais associados à onda de inundação está classificada como Classe II.

A albufeira tem uma área inundada ao NPA de 198 x 1000m2 com capacidade total de 1400 x 1000m3 (Capacidade útil de 1040 x 1000m3), Volume morto de 113 x 1000m3, Nível de pleno armazenamento de 498,7m, Nível de máxima cheia de 499,7 m e Nível mínimo de exploração de 485,7 m.

A Albufeira da Barragem do Pisco é formada por uma paisagem rodeada de pinheiro bravo e eucalipto constitui um lugar privilegiado para desfrutar da natureza, para observação da flora e da fauna ou para a prática de desportos aquáticos como natação, mergulho e pesca.