Barragem da Venda Nova

Photo 1
Photo 1
Todas as fotografias / imagens são fornecidas apenas para orientação.
A Barragem da Venda Nova situa-se no Rio Rabagão, freguesia de Venda Nova, entre o concelho de Montalegre (distrito de Vila Real) e Vieira do Minho (distrito de Braga), Norte de Portugal
 
A barragem da Venda Nova foi iniciada em 1948 e a sua construção foi concluída em 10 de junho de 1951 pelo Projetista A. COYNE e o Construtor foi SOCEL-CAP e foi utilizada para energia.

A Barragem da Venda Nova entrou em funcionamento em 1951 e é alimentada pelo curso de água do rio Rabagão para utilização do abastecimento de água das zonas residenciais, agrícolas, industriais, produção de energia elétrica (energia hidráulica) e regularização do caudal.

A barragem localizada na zona de transição entre o Minho e Trás-os-Montes oferece uma paisagem verdejante e um espelho calmo de água azul acetinada e à volta os relevos dos montes de Barroso e é servida pela Estrada Nacional 103.

A mancha de água exuberante e implacável representa hoje para a freguesia de Venda Nova o seu “ex-libris”.

Na margem existem áreas de lazer como Codeçoso, Padrões e Venda Nova que convida a passeios de barco e ótimos banhos.

No meio das águas e praticamente rodeado por elas ergue-se o esplendor do castro de Codeçoso que foi um antigo povoamento que serve de referência para a antiguidade do território da freguesia.

No período romanfo foi o castro mais importante do Barroso e tendo servido de Presídio Militar e foi sede de comando das forças armadas imperiais estacionadas na região.

Neste lugar passava a via romana que ligava Braga a Chaves tendo sido encontrados diversos marcos milenares dedicados a Tibério,Cláudio e Trajano Adriano.

A aldeia de Venda Nova faz fronteira com as freguesias de Ferral, Campos, Salto e Pondras e é composta pelos lugares de Padrões, Sanguinhedo e Codeçoso.

A Praia fluvial localizada na albufeira da barragem da Venda Nova possibilita a prática de diversas atividades náuticas motorizadas (barco a motor), natação, pesca e surf.

A barragem é em arco-gravidade de 97 metros de altura com cota de coroamento de 701 m e pertence à bacia hidrográfica principal do Rio Cávado com uma bacia hidrográfica própria de 136,58 km2 e tem uma capacidade total de armazenamento de água de 94 500m3 com comprimento do coroamento de 230 m e volume de betão de 228 (x 1000 m3).

A albufeira possui NPA (Nível Pleno de Armazenamento) de 700 metros com capacidade total de 94500 (x 1000m3), NMC (Nível Máximo de Cheia) de 701 metros com capacidade útil de 93000 (x 1000m3) e NME (Nível Mínimo de Exploração) de 645 metros.

A descarga de fundo localiza-se em Talvegue através da barragem com secção da conduta de D 2,6 m, controlo a montante com caudal máximo de 135 m3/s e controlo a jusante com válvula de jato oco e dissipação de energia.

O descarregador de cheias localiza-se no corpo da barragem com cota da crista da soleira de 692 m, desenvolvimento da soleira de 22 m com 2 comportas segmento, caudal máximo descarregado de 1100 m3/s e dissipação de energia do tipo trampolim.

A central tira partido de duas albufeiras na zona de Vieira do Minho que é constituída por uma central subterrânea do tipo de caverna, um circuito hidráulico em túnel, diversos poços e túneis auxiliares e de acesso.

A Central da Albufeira tem potência instalada de 90 MW com produtividade média anual de 389 GWh com tipo de grupos simples em Pelton com potência total instalada de 144 MW.